Publicado em Deixe um comentário

Pode ser decretada a prisão civil do indivíduo que deixou de pagar a pensão alimentícia fixada em favor da vítima de ato ilícito por ele praticado?

Imagine a seguinte situação hipotética:

João cometeu homicídio culposo contra Pedro e foi condenado a penas restritivas de direito.

No juízo cível, João foi condenado a pagar pensão mensal de 3 salários mínimos aos filhos da vítima.

Depois de algum tempo pagando regularmente as prestações, João tornou-se inadimplente.

Diante disso, os filhos de Pedro ingressaram com pedido de execução de alimentos sob o rito do art. 528 do CPC/2015 pedindo a prisão civil do devedor:

Art. 528. No cumprimento de sentença que condene ao pagamento de prestação alimentícia ou de decisão interlocutória que fixe alimentos, o juiz, a requerimento do exequente, mandará intimar o executado pessoalmente para, em 3 (três) dias, pagar o débito, provar que o fez ou justificar a impossibilidade de efetuá-lo.

 

Será possível a decretação da prisão civil do devedor, neste caso?

NÃO.

Não pode ser decretada a prisão civil do devedor de alimentos devidos em razão da prática de ato ilícito.

STJ. 4ª Turma. HC 523.357-MG, Rel. Min. Maria Isabel Gallotti, julgado em 01/09/2020 (Info 681).

 

Classificação dos alimentos quanto à origem

Os alimentos, de acordo com a causa de sua origem, podem ser classificados em três espécies:

  1. a) legítimos (devidos por força de vínculo familiar estabelecido em lei);
  2. b) voluntários/negociais (derivados de negócio jurídico); ou
  3. c) indenizatórios (em razão de ato ilícito).

 

Obrigação alimentar decorrente de ato ilícito é diferente da obrigação alimentar decorrente de vínculo familiar

A obrigação de prover a subsistência dos dependentes da vítima de ato ilícito possui natureza diversa da obrigação alimentar de direito de família.

Os alimentos decorrentes de ato ilícito (letra “c”) são considerados como indenização, conforme se verifica da leitura dos seguintes artigos do Código Civil:

Art. 948. No caso de homicídio, a indenização consiste, sem excluir outras reparações:

I – no pagamento das despesas com o tratamento da vítima, seu funeral e o luto da família;

II – na prestação de alimentos às pessoas a quem o morto os devia, levando-se em conta a duração provável da vida da vítima.

 

Art. 950. Se da ofensa resultar defeito pelo qual o ofendido não possa exercer o seu ofício ou profissão, ou se lhe diminua a capacidade de trabalho, a indenização, além das despesas do tratamento e lucros cessantes até ao fim da convalescença, incluirá pensão correspondente à importância do trabalho para que se inabilitou, ou da depreciação que ele sofreu.

Parágrafo único. O prejudicado, se preferir, poderá exigir que a indenização seja arbitrada e paga de uma só vez.

 

Art. 951. O disposto nos arts. 948, 949 e 950 aplica-se ainda no caso de indenização devida por aquele que, no exercício de atividade profissional, por negligência, imprudência ou imperícia, causar a morte do paciente, agravar-lhe o mal, causar-lhe lesão, ou inabilitá-lo para o trabalho.

 

Na obrigação alimentar decorrente de ato ilícito fala-se em “alimentos” apenas como uma referência, no entanto, consiste realmente em uma indenização.

Ao comentar o art. 948, II, do Código Civil, acima transcrito, Sérgio Cavalieri Filho explica:

“A alusão a alimentos contida no inciso II do dispositivo em comento é simples ponto de referência para o cálculo da indenização e para a determinação dos beneficiários. Tem por finalidade orientar o julgador para o quantum da indenização. Não se trata de prestação de alimentos, que fixa em proporção das necessidades do reclamante e dos recursos da pessoa obrigada, e sim de indenização, que visa reparar, pecuniariamente, o mal originado do ato ilícito.” (Programa de Responsabilidade Civil. São Paulo: Atlas, 11ª ed., p. 160-161)

 

OBRIGAÇÃO ALIMENTAR
Decorrente de vínculo familiar Decorrente da prática de ato ilícito
Os alimentos civis/naturais devem necessariamente levar em consideração o binômio necessidade-possibilidade para a sua fixação, estando sujeitos à reavaliação para mais ou para menos, a depender das circunstâncias fáticas ocorridas na vida dos sujeitos da relação jurídica. Os “alimentos” indenizatórios são arbitrados em quantia fixa, pois são medidos pela extensão do dano, de forma a ensejar, na medida do possível, o retorno ao status quo ante.
Não possuem natureza indenizatória. Possuem natureza indenizatória.

 

Com base nessa premissa, ou seja, na distinção entre obrigação alimentar propriamente dita e obrigação de ressarcimento de prejuízo decorrente de ato ilícito, o STJ afirma que somente no primeiro caso (obrigação alimentar decorrente de direito de família) é cabível a prisão civil do devedor de obrigação de prestar alimentos.

 

Prisão civil é medida excepcional e taxativa

A prisão civil do devedor de alimentos é prevista no texto constitucional, sendo considerada, no entanto, hipótese excepcional e taxativa:

Art. 5º (…)

LXVII – não haverá prisão civil por dívida, salvo a do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação alimentícia (…);

 

Qualquer outra previsão de prisão civil ou mesmo uma interpretação ampliativa serão consideradas inconstitucionais.

Assim, o alargamento das hipóteses de prisão civil, para alcançar também prestação de alimentos de caráter indenizatório acaba por enfraquecer a regra do art. 5º, LXVII, da CF/88, sendo, por isso mesmo, inconstitucional.

 

Em suma:

Não pode ser decretada a prisão civil do devedor de alimentos devidos em razão da prática de ato ilícito.

Os alimentos devidos em razão da prática de ato ilícito possuem natureza indenizatória (arts. 948, 950 e 951 do Código Civil) e, portanto, não se aplica o rito excepcional da prisão civil como meio coercitivo para o adimplemento.

Exemplo: João cometeu homicídio contra Pedro e foi condenado a pagar pensão mensal de 3 salários mínimos aos filhos da vítima. Caso ele se torne inadimplente, o juiz não poderá decretar prisão civil como meio coercitivo para o pagamento.

STJ. 4ª Turma. HC 523.357-MG, Rel. Min. Maria Isabel Gallotti, julgado em 01/09/2020 (Info 681).

Fonte: Dizer o Direito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *