Publicado em Deixe um comentário

Como ter mais disciplina em 2020

“Disciplina é fazer o que precisa ser feito, mesmo não tendo vontade.” – Lazar Angelov, fisiculturista búlgaro

Por que será que ter disciplina para fazer o que tem de ser feito é tão difícil? Ora, em linhas gerais, porque ser disciplinado significa fazer certas renúncias, e ninguém gosta de abrir mão de algumas coisas. É deixar pra trás velhos hábitos a fim de criar novos e melhores, como estudar, ler, praticar atividades físicas, alimentar-se de forma saudável, ser produtivo, conservar relacionamentos, pensar com clareza, controlar as emoções, manter desempenho físico de alto nível e ter paciência na tomada de decisões complicadas, entre outros. Para ser honesto, ter disciplina dá um trabalho DANADO.

Na visão dos grandes filósofos e pensadores – antigos e modernos –, disciplina é a pedra fundamental de qualquer mudança. É a força na qual nos apoiamos para dizer “não” a nós mesmos quando preciso. É a fonte onde nasce nosso amor próprio, e também sua desembocadura. É o motor que impulsiona o talento, conduzindo-nos à vitória sobre nossos impulsos autossabotadores. É a maior ajuda com que podemos contar a fim de conquistarmos tudo que mais desejamos. É, enfim, aquela luz interior que guia nosso caminho, o detalhe que faz de nós gigantes, imparáveis.

“Ser disciplinado significa fazer certas renúncias, e ninguém gosta de abrir mão de algumas coisas”.

Se perguntássemos o que é disciplina a um certo príncipe renunciante ao trono do Nepal, de nome Sidarta Gautama e conhecido como Buda, a resposta certamente seria mais iluminada: “Só com esforço prolongado e sinceridade, DISCIPLINA e autocontrole o sábio se torna como uma ilha, que nenhuma enchente consegue inundar”. Em outras palavras, o grande mestre ensinava que apenas com muita disciplina é possível obter grandes resultados ainda que com pouco esforço. Há que seguir um ritual e manter-se dentro de padrões de retidão, mas isso garantirá o recebimento em dobro; a realização, com folga, dos planos.

Ou seja, concurseiro, você não precisa estar motivado todos os dias para garantir sua tão sonhada vaga; precisa, sim, ter DISCIPLINA dia após dia a fim de manter a constância que grandes projetos demandam. Isso ainda é um dos maiores desafios enfrentados por qualquer pessoa. Vale para mim, vale para você. Só não vale usar isso como desculpa e pretexto para procrastinar (link).

“Então, como conseguir desenvolver – e preservar – a indispensável disciplina?”, você pode perguntar. Antes de responder, deixe-me explicar algo importante: se sua ideia é reinventar-se, tanto na condição de pessoa como na de profissional, entenda, desde já, que apenas o conhecimento aliado à consciência de que há algo em sua rotina a ser mudado não bastam para gerar resultados extraordinários como os que você provavelmente espera, a não ser que sejam implementadas ações concretas nesse sentido. Força de vontade junto com disciplina, sim, podem fazer diferença. A fórmula para o autodesenvolvimento é, portanto, a soma de tudo isso.

“Apenas com muita disciplina é possível obter grandes resultados ainda que com pouco esforço”.

“Muito bem, Gabriel. Entendi o que é disciplina, sei o que preciso fazer, estou disposto a agir e acho que tenho muita força de vontade, MAS não posso afirmar que a tal disciplina está presente em todos os dias da minha vida. Como posso encontrá-la e NUNCA mais perdê-la?”, imagino você indagando. Eu lhe digo que há alguns passos que podem ajudar. Trata-se de um ciclo simplificado de como manter a disciplina:

1º) Conheça as razões, os objetivos, os propósitos que movem você. Pergunte a si mesmo, em voz alta, e anotando em detalhes a resposta: “Por que preciso passar em concurso público ainda em 2020?”; “Por que quero emagrecer?”; “Por que preciso aprender um novo idioma?”. Acredite: sabendo quais são nossas motivações, tudo fica mais fácil.

2º) Escolha um ambiente e transforme-o em seu quartel-general, sua arena, seu abrigo nuclear, sua casamata, seu bunker. Não importa o nome, mas, sim, que esse local seja propício à manutenção de uma rotina regular. No caso específico do concurseiro, refiro-me a um lugar especialmente preparado para os estudos, longe de guloseimas e com acesso dificultado a tudo que seduza à procrastinação. Seja criativo, inovador, ousado ao criar o seu campo de batalha.

3º) Elabore um plano de ação e de mudança. Atenção: não estou falando de um simples conjunto de resoluções aleatórias, sem nada de concreto, mensurável, aferível e factível. Não pode ser uma mera promessa do tipo: “Ah, um dia passo em concurso público”. Ao contrário, deve ser algo preciso, como: “ESTE ANO passarei no concurso TAL, e entre os 100 primeiros colocados”. Mire alto, o que lhe dará alguma margem para acertar um pouco mais baixo. O plano terá sido cumprido, o objetivo terá sido alcançado. Entendido?

4º) Abrace suas falhas, sorria diante delas, ciente de que fazem parte do seu aprendizado e simbolizam avanços na estrada rumo ao sucesso. Corrija o plano e reajuste as metas, se preciso, mas siga em frente, sem crise nem choro – ok, um pouquinho de choro pode… rs. Sem grande estresse.

“Força de vontade junto com disciplina, sim, podem fazer diferença. A fórmula para o autodesenvolvimento é, portanto, a soma de tudo isso”.

“Gabriel, além de não ter uma boa disciplina para cumprir minhas resoluções, também não tenho muita concentração nas coisas”, alguns podem dizer. Se é o seu caso, vou dar duas outras dicas, que aprendi durante a leitura da biografia de Mahatma GANDHI:

1ª) Num cômodo silencioso, no qual não haja nenhum tipo de distração, sente-se e segure diante dos olhos algo adorável ou de grande valor para você. Pode ser uma flor, uma fotografia bonita dos seus filhos ou pais, a imagem do edifício onde você pretende trabalhar, a cópia do contracheque de um ocupante do cargo dos seus sonhos… Concentre-se no objeto por cerca de um minuto e, então, feche os olhos, contando o tempo que a imagem é mantida nítida na cabeça. No início, talvez você se sinta “pagando mico”, mas depois conseguirá afastar as distrações e ganhar controle sobre os pensamentos.

2ª) Quando tiver conseguido permanecer pelo menos sessenta segundos com a imagem na memória, ainda no mesmo ambiente silencioso, feche os olhos e permita-se ter consciência apenas da sua respiração. Procure focar exclusivamente em seus movimentos de inspiração e expiração, afastando ideias intrusas. Esse exercício proporciona maior controle sobre as reações e as emoções; sobre a mente.

Espero ter ajudado com essas recomendações, que aprendi nos livros de e sobre grandes sábios, líderes, pensadores e imparáveis. Que esses ensinamentos sejam úteis a você como têm sido para mim.

Se pretende colocá-los em prática, registre nos comentários: “Terei mais disciplina!

“Não há como desfrutar a posse de nada valioso a menos que se tenha alguém com quem compartilhá-lo.” – Sêneca.

Fonte: GranCursos




Deixe uma resposta

Open chat
Oi! É o Felipe! Posso te ajudar? Estou online 🙂
Powered by
%d blogueiros gostam disto:
Bitnami